Sobral alcança o seu menor índice de mortalidade infantil

Voltar Página


Com 7,48 de índice, este Município do Norte do Ceará registrou, no último mês de novembro, a menor Taxa de Mortalidade Infantil de sua série histórica, quase a metade do Ceará (14,63) e do Brasil (14,44). Os dados foram divulgados pelo Sistema de Informação de Mortalidade (Datasus), do Ministério da Saúde. O número é 18,25% menor que o registrado no fim do ano passado. A Taxa de Mortalidade Infantil, reflexo direto da implementação de políticas públicas é um importante indicador de desenvolvimento socioeconômico de uma população, e corresponde à razão entre o número de óbitos de crianças de até um ano e o número de nascidos vivos. Com ações efetivas, nas duas últimas décadas, Sobral vem consolidando números decrescentes, o que a coloca em lugar de destaque.

Em 1996, o Município apresentava taxa de mortalidade de 54,67, quando o Estado contabilizava 37,35, e os índices nacionais batiam a casa dos 25,47. Em 2016, a taxa de mortalidade infantil no Brasil foi de 14,44, no Ceará de 14,63, quando Sobral chegou a 9,15, o que representa redução nos óbitos infantis de 86% em duas décadas.

A redução é duas vezes maior que a média obtida pelo Brasil. Dentre as ações implementadas pelo Município na busca por índices cada vez menores de mortalidade entre mães e recém-nascidos, está a Política Pública Municipal Trevo de Quatro Folhas, iniciada em 2001, que oferece apoio social a gestantes, mães e crianças menores de 2 anos de idade, que se encontram em situação de risco clínico e vulnerabilidade social.

Ações

A Estratégia atende famílias residentes, tanto na área urbana, quanto rural, sendo uma das principais linhas de ação da Secretaria da Saúde, com a participação da Mãe Social, que presta apoio às famílias com gestantes, puérperas, e mães de crianças menores de dois anos, em situação de risco clínico e social. Na prática, o apoio é viabilizado por meio de recursos da Prefeitura e pela contribuição mensal das ‘Madrinhas’ e ‘Padrinhos Sociais’, além de empresas.

Como complemento desta ação, o Projeto Coala mantém o atendimento a recém-nascidos prematuros em casa, realizando monitoramento constante do peso e de sinais de risco, enquanto o Projeto Apoio Alimentar dá a assistência necessária no que se refere à nutrição diária às crianças a suas mães.

Atendimento

Segundo Natália Frota, gerente da Estratégia Trevo de Quatro Folhas, a Saúde da família, com 100% de cobertura em Sobral, assegura a assistência pré-natal das gestantes e o acompanhamento do crescimento e do desenvolvimento infantil, ordenado pela Rede de Atenção Materno Infantil. Por outro lado, na Atenção Especializada, a ampliação das UTIs Neonatais priorizou o número de leitos de internação. “Todas essas estratégias são complementares e contribuem para potencializar os atendimentos. A Mãe Social, por exemplo, nos coloca mais próximos da realidade daquela mãe que antes não buscava os serviços básicos como o pré-natal. Hoje, o Município atua com 50 dessas mulheres, capacitadas para atender, até os 15 primeiros dias de vida do bebê”, afirma.

Perfil social

“Ao longo dos anos, começamos a observar o mesmo perfil social das mães ou bebês que perdiam a vida, ainda no parto, ou no primeiro ano de vida da criança. Todos apresentavam a mesma vulnerabilidade, por falta de apoio da família. Com esse cuidado materno extra, de moradoras da própria comunidade, temos observado o quando essa ação solidária tem ajudado a puxar os índices de mortalidade para baixo. Além de todas as ações, digo que a Mãe Social é de extrema importância nesse processo”, comemora Natália Frota.

Com uma cobertura de 64 equipes distribuídas em 36 Centros de Saúde da Família (CSFs), o atendimento às futuras mamães tem início no primeiro contato com o Agente Comunitário de Saúde, que atende na própria casa da gestante. No posto, o atendimento tem reforço do enfermeiro e do médico, com o pré-natal. Uma equipe multidisciplinar também entra em cena, para complementar a atenção básica.

Sobral conta, ainda, com apoio do Hospital Regional Norte e da Santa Casa de Misericórdia. “Essa rede é que dá o suporte necessário para que nossas gestantes possam ter um atendimento pleno de segurança a cuidado. As ações são intensificadas todos os dias, num trabalho que envolve todo o nosso sistema de Saúde”, afirma Geruza Gurgel, coordenadora da Atenção Básica do Município.

Experiência

Foi justamente na Santa Casa de Misericórdia de Sobral, que a mãe de primeira viagem Suziane Sousa Marcelino teve, aos 30 anos, a primeira filha. Graziela nasceu prematura de 8 meses, tendo que ficar 14 dias internada para ganhar peso. Sem experiência e vítima de cinco abortos espontâneos, Suziane afirma que tinha medo de perder a menina. Mas o apoio de uma Mãe Social mudou tudo. “Eu não sabia nada sobre os cuidados com minha filha, até ter ajuda diária da Dona Joelina. Quatro meses depois, minha filha está com saúde e mais forte”, comemora.

Fonte: Diário do Nordeste


Voltar Página

Compartilhe:
Comente: