Hospital Regional Norte realizou 6.299 partos em quatro anos da obstetrícia

Voltar Página


Assistência adequada para gestantes de média e alta complexidade. É isso que o Hospital Regional Norte (HRN), em Sobral, garantiu para mães de 55 municípios da macrorregião Norte nos últimos quatro anos. Desde a inauguração do serviço até o último mês de outubro, 6.299 partos já foram realizados na unidade que integra a rede pública do Governo do Ceará.

A vendedora Francisca Maria da Rocha Pereira, 29, do município de Varjota, foi uma das mulheres que passaram por essa experiência e hoje comemoram a vida de mais uma filha. Na quarta-feira, 15 de novembro, ela deu à luz Kerolaine. “Eu gostei muito do modo que fui recebida. Cheguei aqui na segunda-feira. Não demorou para eu ser atendida. Toda essa estrutura aqui, desde a limpeza até a organização do setor traz muita segurança para a gente”, destaca. Ela precisou ser submetida a uma cesárea quando estava com 41 semanas de gestação. “Tenho um casal. Tive eles dois de parto normal. No caso da Kerolaine, foi necessária essa cirurgia”, esclarece.

A auxiliar administrativo escolar, Denizia Maria Marques Caitano, 37 anos, do município de Massapê, conta como foi a experiência de ter a filha de parto espontâneo. “Perguntei ao médico se a minha filha poderia nascer de parto normal, da mesma forma que aconteceu na minha outra gestação. Muita gente sente medo por conta das dores. Mas posso garantir que foi a melhor escolha”, afirma. Agora Denizia tem a Liz, que nasceu no último dia (9) no Centro de Parto Normal do Hospital Regional Norte. A menina nasceu prematura, com 32 semanas, e está sendo tratada na UTI Neonatal, onde recebe todos os cuidados da equipe multiprofissional da Neonatologia.

De novembro de 2013, mês de início do funcionamento do serviço, até o último mês de outubro, foram realizados 1.772 partos normais e 4.527 cesáreos. A obstetrícia dispõe de 33 leitos, cinco no Centro de Parto Normal, cinco na Unidade de Cuidados Obstétricos e 23 na Clínica Obstétrica. “O parto normal é mais fisiológico. Isso já traz mais benefícios para mãe e a criança, já que não tem uma intervenção cirúrgica. A gente percebe a melhor interação entre mãe e bebê. Existe um menor estresse do recém-nascido. Também favorece o início do aleitamento, melhora a estabilidade respiratória da criança, entre outros benefícios”, ressalta Eveline. A médica enfatiza que a cesária é feito quando existe uma recomendação clínica.
Ainda segundo a médica, a recuperação após o parto vaginal é bem mais rápido. “O parto vaginal tem menos intervenções médicas. A gente consegue que a mulher mais rapidamente se restabeleça e tenha um retorno mais precoce às atividades. O parto normal não interfere nas próximas gestações”, afirma.

A coordenadora de enfermagem do Centro de Parto Normal (CPN), Izaura Xavier, explica como é o caminho das gestantes até chegar ao HRN. “Atendemos dois tipos de gestantes: a vinculada, quando realiza o pré-natal de uma gestação de alto risco na Policlínica de Sobral e é encaminhada para realização do parto aqui, e atendemos também a gestante regulada, que é quando esta chega no hospital via Central de Regulação do Estado”, destaca Izaura. O serviço de obstetrícia do HRN garante atendimento a gestantes de alta e média complexidade, dos 55 municípios da macrorregião Norte.

Visita guiada

A cada quatro meses são feitas visitas guiadas no hospital com as futuras mamães. A coordenadora de enfermagem do Centro Obstétrico e Internação Obstétrica, Larissa Cunha, explica o objetivo dessa ação. “O intuito é mostrar a estrutura do serviço, os métodos utilizados para o alívio da dor, assim como o acompanhamento multiprofissional que a gestante terá, como forma de deixar a mulher mais segura para a escolha pela via de parto normal”, afirma.

Sempre na última terça-feira de cada mês a coordenação do serviço realiza sessões clínicas com a equipe para debater assuntos específicos. Os temas são escolhidos de acordo com o perfil das pacientes atendidas no setor.

Os benefícios do parto normal

– A melhor maneira de saber se um bebê está pronto para nascer é esperar que ele mesmo dê o alerta.

– Quando isso acontece, o trabalho de parto se inicia espontaneamente e pode resultar em um parto normal – quando tudo corre bem – ou em uma cesariana, se for necessária uma intervenção cirúrgica.

– O trabalho de parto traz benefícios para a mulher e para o bebê. Durante esse momento, são liberadas substâncias que ajudam no amadurecimento final do organismo da criança, como o hormônio corticoide, que age no pulmão.

– Para a mulher, o trabalho de parto ajuda também a liberar hormônios importantes, que vão prepará-la para a amamentação.

– Bebês nascidos antes do trabalho de parto espontâneo estão mais sujeitos a problemas de saúde

– Estudos conduzidos nos últimos anos mostram que cada semana a mais de gestação aumenta as chances de a criança nascer saudável, mesmo quando não há mais risco de prematuridade.

– As últimas semanas de gestação permitem maior ganho de peso, maturidade cerebral e pulmonar.

Fonte: Campanha “Quem espera, espera” do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef)

Com informações Assessoria de Comunicação do HRN

Fonte: Sobral Portal de Notícias


Voltar Página

Compartilhe:
Comente: